Bin Laden diz que lutará contra Israel até libertar a Palestina

Al-Qaeda critica mídia internacional por 'mostrar invasores israelenses como vítimas' e palestinos como carrascos

Agências internacionais,

16 de maio de 2008 | 07h32

O líder da rede terrorista Al-Qaeda, Osama bin Laden, afirmou nesta sexta-feira, 16, que continuará lutando contra Israel e seus aliados até a libertação completa da Palestina. A gravação, cuja autenticidade não pôde ser comprovada, tem cerca de dez minutos e foi emitida por ocasião do 60.º aniversário da criação do Estado de Israel, que, para os árabes, representou a Nakba (tragédia).   Veja também:   Abbas rejeita declarações de Osama bin Laden sobre Israel   Bin Laden teria dito que a luta pela causa palestina é o mais importante fator a conduzir a guerra da Al-Qaeda com o Ocidente, impulsionada pelos ataques de 11 de Setembro."Continuaremos, se Deus quiser, lutando contra os israelenses e seus aliados, e contra a injustiça, e não abandonaremos nem uma só polegada da terra da Palestina enquanto houver um único muçulmano honesto sobre a superfície da terra", disse. Bin Laden critica, além disso, a participação de vários países ocidentais nas comemorações pelo aniversário da criação do Estado de Israel e qualifica seus líderes de "hipócritas".   "A participação dos líderes do Ocidente nas celebrações de Israel ressaltam que o Ocidente apóia esta ocupação de nossa terra", diz Bin Laden, em referência à presença do presidente americano, George W. Bush, e de outros líderes estrangeiros nas comemorações. Para o líder da Al-Qaeda, outra prova desse apoio é o envio das tropas da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (Finul).   Além disso, Bin Laden critica a imprensa ocidental, que teria "mostrado os invasores israelenses como vítimas, enquanto mostram preconceitos sobre os palestinos, como carrascos". Nesse sentido, compara o papel da imprensa no conflito israelense-palestino com o desempenhado na hora de encontrar "justificativas falsas" para a invasão dos EUA ao Iraque, em março de 2003.   Esta é a terceira mensagem do líder da Al-Qaeda divulgada este ano. A última foi transmitida pela rede de televisão catariana Al Jazira em 20 de março. Nela, Bin Laden pedia aos palestinos para resistir até a morte e criticava a conferência de paz de Annapolis (EUA). Essa gravação de áudio foi divulgada um dia depois que, em outra mensagem disponibilizada em um site, o líder da Al-Qaeda ameaçou a União Européia (UE) por sua postura na "crise das charges" do profeta Maomé e por seguir a política americana.

Tudo o que sabemos sobre:
Osama bin LadenAl-QaedaIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.