Bin Laden e Omar não operam no Paquistão, diz porta-voz

O Paquistão rechaçou no sábado aafirmação de uma autoridade dos Estados Unidos de que o líderda Al Qaeda, Osama bin Laden, e o líder do Taliban, muláMohamad Omar, estariam operando no país. Um importante membro do governo norte-americano disse arepórteres em Washington que Bin Laden, seu auxiliar Aymanal-Zawahri e outros estão operando desde região do Paquistãopróxima à fronteira com o Afeganistão. O mulá Omar e outros líderes do Taliban estariam dirigindooperações de insurgência no Afeganistão a partir da cidadepaquistanesa de Quetta, disse a autoridade, que pediu para nãoser identificada. O Paquistão tem consistentemente negado que os líderesmilitantes estejam em seu território, desde que elesdesapareceram quando os EUA invadiram o Afeganistão ederrubaram o governo Taliban depois de o grupo ter se recusadoa entregar Osama bin Laden após os ataques de 11 de setembro de2001. Acredita-se que Bin Laden e Omar fugiram do Afeganistão naocasião. O porta-voz do Ministério do Exterior do Paquistão,Mohammad Sadig, disse que se uma autoridade dos EUA teminformação sobre os paradeiros dos militantes, deveriacomunicar ao Paquistão. "Se há algum trabalho de inteligência em andamento, eledeve ser dividido com o governo do Paquistão para que nóspossamos agir", disse ele. "Você não fala com a mídia se temuma informação como essa." Ele disse que a afirmação da autoridade norte-americana nãoé correta. "Se ele estivesse certo, ele pediria uma recompensa emdinheiro em vez de falar com a mídia", disse ele, referindo-seà recompensa que os EUA oferecem por informações que levem àprisão dos militantes. O Paquistão não sabe do paradeiro dos militantes, disseSadiq. "Se nós soubéssemos, nós agiríamos". O país apoiava o governo Taliban no Afeganistão antes dosataques, mas o presidente Pervez Musharraf passou a apoiar acampanha promovida pelos EUA contra o terrorismo após o 11 desetembro. Mas, com o Taliban ganhando força no Afeganistão, apesardos trabalhos das tropas dos EUA e da Otan, a frustração vemcrescendo nos Estados Unidos com o que os críticos vêem como oesforço menor que o esperado do Paquistão em deter militantesna fronteira. A autoridade dos EUA disse que, apesar da presença delíderes da Al Qaeda no Paquistão, os EUA ainda vêem Musharrafcomo um importante aliado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.