Associated Press
Associated Press

Bin Laden não era mais líder da Al-Qaeda, diz fonte

Morto em maio, terrorista responsável pelo 11 de Setembro já não participava de operações

Agência Estado

08 de dezembro de 2011 | 09h07

WASHINGTON - Documentos encontrados na residência no Paquistão onde Osama bin Laden foi morto em maio mostram que o líder da Al-Qaeda não tinha mais qualquer papel na operação da rede terrorista, afirmou na quarta-feira, 7, um especialista dos Estados Unidos que revisou as evidências.

 

Veja também:

especialAs franquias da Al-Qaeda

especialA trajetória de Osama bin Laden

especialPasso a passo da caçada a Bin Laden

 

O especialista, que pediu anonimato, disse que 200 itens usados como evidências - notebooks, arquivos, computadores, drives USB - recolhidos por agentes dos EUA que realizaram o ataque no qual morreu Bin Laden, mostram que "fazia um bom tempo que ele não estava envolvido no gerenciamento do dia a dia da organização".

 

"Os escritos que recolhemos são em sua maioria papéis sobre sua posição geral, junto com linhas sobre se "Nós devemos continuar os EUA?" ou "Pode o Shebab da Somália receber nossa confiança?", explicou a fonte.

 

"Em um pequeno notebook azul de fevereiro de 2010, ele especula se um membro deve ser promovido, pois deveria ser nomeado para substituir outro, morto em um ataque com um avião não tripulado. Mas nada sobre a gerência operacional da organização", afirma a fonte.

 

Cerca de um terço dos itens confiscados eram sobre assuntos familiares, incluindo os esforços de uma das viúvas de encontrar o marido de uma de suas filhas, disse o funcionário. "De qualquer forma, por razões de segurança, ele só recebia mensagens uma ou duas vezes por mês. Como você pode comandar uma rede nessas condições?", questiona o especialista.

 

Forças especiais dos EUA mataram Bin Laden em 2 de maio, em um ataque ao local onde ele vivia, na cidade de Abbottabad, ao norte da capital do Paquistão, Islamabad. O corpo de Bin Laden foi lançado ao mar. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
EUABin LadenOsama Bin Ladenterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.