Bin Laden reaparece, 3 anos depois

Em vídeo, líder da Al-Qaeda fala de aquecimento global e pede a seus seguidores que intensifiquem luta no Iraque

O Estadao de S.Paulo

07 de setembro de 2008 | 00h00

O governo americano anunciou ontem que obteve uma cópia do vídeo de 30 minutos em que o líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden, aparece para marcar o sexto aniversário do 11 de Setembro. A CIA submeteu o material à análise e confirmou que a voz era do terrorista. O presidente dos EUA, George W. Bush, afirmou que o vídeo é um lembrete do "perigoso mundo em que vivemos". "É importante que nos mostremos determinados a nos proteger", disse.Dirigindo-se ao povo americano, Bin Laden não fez qualquer ameaça direta, mas afirmou que, ao não reconhecer seus erros no Iraque, Bush repetia os equívocos cometidos pelo ex-líder soviético Leonid Brezhnev. "Assim como Brezhnev, Bush - quando questionado sobre a data da retirada do Iraque - disse que isso não ocorrerá no seu reinado, mas durante o governo de quem o suceder." Bin Laden também afirmou que os americanos deveriam se converter ao islamismo para acabar com a guerra. Bush afirmou ser interessante Bin Laden mencionar o Iraque. "Se a Al-Qaeda se preocupa em falar do Iraque, é porque eles querem atingir seu objetivo na região - nos expulsar de lá."O terrorista falou até sobre o aquecimento global. "A vida de toda a humanidade está em perigo por causa do aquecimento global, que resulta em parte das emissões das fábricas das grandes corporações", disse.Além de pedir que seus seguidores intensifiquem a batalha no Iraque, ele afirmou que os democratas só não conseguiram dar um fim à guerra no Iraque porque quem manda nos EUA são as grandes corporações. "Os democratas não interrompem a guerra pelas mesmas razões que impediram (o ex-presidente John) Kennedy de acabar com o conflito no Vietnã", disse. "Aqueles que têm o poder são os mesmos que têm o capital."Nas imagens, Bin Laden usa túnica branca com turbante. A fala suave mostra que o terrorista aparenta estar saudável. Bin Laden não aparecia em vídeo desde 2004. Nas imagens, ele faz várias referências históricas que indicam que a gravação é recente - entre elas, a vitória democrata na eleição para o Congresso americano, em 2006, e a eleição de Nicolas Sarkozy na França, em maio. Pouco depois de Washington anunciar que havia obtido o vídeo, os sites que carregam notas da Al-Qaeda saíram do ar. Especialistas acreditam que esse sumiço tenha sido provocado pela própria rede terrorista para tentar descobrir a fonte do vazamento.Nessas últimas imagens - programadas para entrarem no ar pela internet na terça-feira -, ele aparece com a barba toda preta, diferentemente de vídeos anteriores que mostravam sua barba grisalha.Segundo Rita Katz, diretora do Instituto Site, de Washington, que analisa mensagens terroristas, pintar a barba é um costume entre líderes árabes. "Eles gostam de parecer mais jovens."AP, NYT e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.