Bin Laden tinha pornografia e enviava e-mail por pen drive

Não está claro se saudita assistia aos vídeos; de acordo com os EUA, mensagens eram transmitidas de lan houses

, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2011 | 00h00

WASHINGTON

Membros das forças especiais americanas que mataram o terrorista saudita Osama bin Laden encontraram na casa em que ele vivia na cidade de Abbottabad, no Paquistão, uma "extensa coleção de pornografia", disseram ontem membros do governo americano.

De acordo com as fontes, não está claro se o líder da Al-Qaeda adquiriu ou assistia aos vídeos. O complexo onde o saudita se escondia não tinha internet nem telefonia fixa. Um vídeo divulgado pelo governo americano, no entanto, mostra o terrorista assistindo à televisão.

Segundo especialistas em contraterrorismo americanos, não é incomum encontrar pornografia em esconderijos de terroristas islâmicos.

E-mails. Para driblar seu autoimposto bloqueio tecnológico e se comunicar com outros membros da Al-Qaeda, Bin Laden enviava e-mails do seu esconderijo sem deixar nenhum rastro digital.

O método era trabalhoso e lento, mas funcionava. Tinha como base a disciplina e a confiança. Oculto em seu complexo a nordeste do Paquistão, Bin Laden digitava as mensagens no seu computador sem nenhuma conexão de internet e, em seguida, salvava o material usando um pen drive.

Depois, passava o dispositivo para um mensageiro confiável, que se dirigia a uma lan house. Ali, o mensageiro conectava o pen drive em um computador, copiava a mensagem de Bin Laden e a enviava como e-mail. Ele, então, copiava as respostas recebidas para o pen drive e retornava para a casa, onde o saudita lia as mensagens offline.

Cerca de cem pen drives foram apreendidos após a morte de Bin Laden. Segundo autoridades americanas, eles devem ter arquivada toda a comunicação entre o líder terrorista e seus associados em todo o mundo.

Sabe-se que agentes da Al-Qaeda costumam mudar os endereços de e-mail de modo que não está claro se muitos ainda continuam ativos desde a morte do líder da organização.

Os arquivos confiscados poderão ajudar os Estados Unidos a localizar outras figuras da Al-Qaeda e forçar os terroristas a mudar sua rotina. /AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.