Erin Schaff/NYT
Erin Schaff/NYT

Bin Salman aparece em público pela 1ª vez após relatório sobre Khashoggi

EUA acusam príncipe herdeiro de ter sido responsável pelo assassinato do jornalista

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2021 | 16h41

CAIRO - O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, compareceu à segunda rodada da primeira prova da Fórmula E, disputada no circuito urbano saudita de Diriyah, em sua primeira aparição pública desde a publicação do relatório dos Estados Unidos que o aponta como responsável pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.

O chefe do escritório privado do príncipe herdeiro, Bader al Asaker, publicou no Twitter um vídeo que mostra Bin Salman junto a uma comitiva a caminho do circuito, cumprimentando um grupo de pessoas.

Um relatório dos serviços de inteligência dos EUA acusa Bin Salman de ser responsável pelo assassinato de Khashoggi, jornalista crítico em relação ao reino e que foi esquartejado dentro do consulado saudita em Istambul, em outubro de 2018.

Após a publicação do documento, o Ministério das Relações Exteriores saudita repudiou as conclusões americanas e as classificou como "falsas" e "inaceitáveis". Mohammed bin Salman ainda não se pronunciou pessoalmente, mas em 2019 negou qualquer envolvimento com o caso.

O relatório, de duas páginas, indica que quando ocorreu o assassinato o príncipe controlava o processo de tomada de decisões no reino, que assessores e membros de sua equipe de segurança estão envolvidos no assassinato e que ele apoiou o uso de medidas violentas para calar dissidentes fora do país.

Khashoggi, de 59 anos, residente nos EUA e colaborador do jornal The Washington Post, era um grande crítico da família real saudita. No dia 2 de outubro de 2018, o jornalista entrou no consulado saudita em Istambul e nunca mais saiu: foi assassinado por um grupo de pessoas que mutilaram seu corpo, que nunca foi recuperado. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.