Reuters / Philip Brown Livepic
Reuters / Philip Brown Livepic

Biografia cita passado de Cameron com suposto uso de drogas e libertinagem

Autor do livro reconhece que tem 'conta pendente' com premiê, que não lhe ofereceu um cargo que foi prometido

O Estado de S. Paulo

21 Setembro 2015 | 15h48

LONDRES - O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, consumiu maconha e cocaína em sua juventude e participou de cerimônias sexuais com animais, segundo afirma um novo livro que teve os trechos antecipados nesta segunda-feira, 21, pelo jornal The Daily Mail.

Call me Dave, que sairá à venda em outubro, foi escrito pelo ex-vice-presidente do Partido Conservador e influente filantropo Michael Ashcroft, com ajuda da jornalista Isabel Oakeshott, antiga chefe de política do The Sunday Times.

Ashcroft, uma das maiores fortunas britânicas e o principal doador dos "tories" (conservadores), reconhece no prólogo que tem uma conta pendente com Cameron, pois este não lhe ofereceu um cargo que foi prometido antes de ganhar as eleições de 2010.

Fontes ligadas ao primeiro-ministro asseguraram que ele "não se identifica" com a imagem descrita nesta biografia não autorizada, que foi realizada após entrevistas com centenas de pessoas de seu convívio.

No livro, que a partir de hoje passará a ser uma série do jornal, afirma-se que, quando estudava na Universidade de Oxford, Cameron fazia parte do Flam Club, um grupo criado para fumar baseados. Posteriormente, ele e sua mulher, Samantha, supostamente consumiam cocaína em sua casa de Londres, segundo o livro.

De acordo com os autores, na elitista universidade inglesa era membro da "decadente" sociedade Piers Gaveston, que se especializava em "estranhos rituais e excessos sexuais". Na cerimônia de iniciação, explicam, "teve que introduzir uma parte de sua anatomia na boca de um porco morto".

Naquela época, David Cameron pertencia, além disso, ao Bullingdon Clube, um exclusivo grupo para estudantes ricos que se dedicavam a se embriagar e destruir restaurantes (cujas despesas pagavam no ato), e ao qual também pertenciam supostamente o atual prefeito de Londres, Boris Johnson, e o ministro da Economia, George Osborne.

Em uma revelação mais política, o livro assegura que Cameron soube em 2009 que Ashcroft tinha um status fiscal de "não domiciliado" na Grã-Bretanha que lhe permitia sonegar impostos, apesar do primeiro-ministro sempre manter que se inteirou em 2010, um mês antes de ganhar as eleições. Ashcroft renunciou posteriormente a esse status fiscal como condição para permanecer na Câmara dos Lordes. / EFE

Mais conteúdo sobre:
David CameronGrã-Bretanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.