Biografia revela suposta agressão de Kirchner

Na noite de 17 julho de 2008 a presidente Cristina Kirchner e o ex-presidente Néstor Kirchner, seu marido, estavam no meio de grande tensão. O governo havia sido derrotado pela oposição em uma ajustada votação no Senado. O resultado foi a derrubada do projeto de lei que colocaria em vigor um "tarifaço" agrário. Na manhã seguinte, o ex-presidente, considerado o verdadeiro poder do governo da mulher, indicou a Cristina que deveria renunciar. No entanto, segundo afirma a escritora e jornalista Sylvina Walger em sua biografia não autorizada "Cristina", a presidente recusou-se a deixar o governo e insultou seu marido, sugerindo que, se ele quisesse ir embora, podia partir. Ao ouvir isto, Kirchner teria dado um soco na presidente argentina. Após a suposta agressão, Cristina teria sido levada para uma clínica. A biografia não autorizada será lançada em 1º de setembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.