Biógrafo de presidente Bush se suicida

O autor de uma biografia não-autorizada de George W. Bush, que revela o suposto consumo de cocaína por parte do atual presidente americano nos anos 70, suicidou-se com uma overdose de barbitúricos. James Howard Hatfield, de 43 anos, havia provocado forte impacto na opinião pública ao revelar em outubro de 1999, em plena campanha pela indicação dos candidatos à Casa Branca em 2000, através de seu livro "Fortunate Son", que Bush filho havia usado e abusado da cocaína na década de 70. No livro - retirado de circulação após ser descoberto o passado criminoso do autor -, Hatfield afirmou que uma detenção por consumo de cocaína em 1972 desapareceu do prontuário de Bush em troca de favorecimento político de seu pai a um juiz do Texas. George W. Bush nunca reagiu diretamente a essas acusações, limitando-se simplesmente a admitir que havia cometido "erros" em sua juventude, e que havia se afastado totalmente de todo e qualquer tipo de droga depois de 1974.Com a credibilidade do autor colocada em xeque, a editora St. Martin´s Press resolveu retirar das livrarias os exemplares não-vendidos da obra depois de o próprio Hatfield revelar que chegou a ser preso por uma tentativa de homicídio. Hatfield se suicidou no quarto de um motel em Springdale em Arkansas, a poucos quilômetros de sua casa em Bentonville. Ele deixou uma carta de despedida em que fala de problemas financeiros como eventual causa de seu desesperado gesto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.