Bispo alemão acusado de maus-tratos propõe renúncia

O bispo da diocese alemã de Augsburgo ofereceu sua renúncia, em meio a acusações contra ele por maus-tratos físicos e irregularidades financeiras, informou hoje a diocese. Segundo o órgão, o bispo Walter Mixa enviou uma carta ao papa Bento XVI propondo sua saída para que haja um "novo começo" na diocese.

AE-AP, Agência Estado

22 de abril de 2010 | 09h38

Mixa foi acusado de agredir crianças durante décadas. Inicialmente, ele negou que tenha sido violento com os menores, mas depois admitiu que pode ter agredido alguns meninos. Na terça-feira, pediu desculpas. "Peço o perdão de todos aqueles ante os que posso ter sido injusto e ante os que pude ter causado dissabores", escreveu o bispo, reconhecendo que estava "plenamente consciente de minhas próprias debilidades".

Desculpas

Os líderes da Igreja Católica britânica se desculparam hoje pelos casos de pederastia e abusos cometidos pelo clero. Segundo eles, o escândalo desonra a Igreja. O arcebispo de Westminster, Vincent Nichols, líder da Igreja Católica na Inglaterra e no País de Gales, disse que os delitos cometidos por alguns sacerdotes foram um "profundo escândalo, que cobre de opróbrio a totalidade da Igreja".

Nichols expressou sua "mais sincera desculpa e profunda dor por aqueles que sofreram esses abusos, os que se sentiram ignorados, sem que ninguém acreditasse neles, ou traídos". O arcebispo formulou as desculpas em uma declaração divulgada hoje em nome dos bispos, para que seja lida aos fiéis de todo o país.

Tudo o que sabemos sobre:
IgrejaabusosbisporenúnciaAlemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.