Bispo é acusado de abusos sexuais nos EUA

A diocese da cidade de Spokane, no Estado de Washington, confirmou que o presidente da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, o bispo William Skylstad, foi acusado de supostos abusos sexuais cometidos contra uma menor. A diocese emitiu uma declaração na qual o bispo rejeitou a acusação dos supostos abusos, que teriam sido cometidos durante a década de 1960. "Respeitei minha promessa de celibato feita quando me ordenei diácono há 47 anos", destacou Skylstad. Fontes judiciais indicam que a mulher, que tinha menos de 18 anos na época dos supostos abusos, disse que estes teriam ocorrido na Universidade de Gonzaga, onde Skylstad estudou entre 1962 e 1966. A dioceses de Spokane destacou na declaração que continuará com seus procedimentos internos para investigar as acusações e que já informou o Vaticano sobre o caso. A denúncia contra Skylstad, de 72 anos, foi divulgada pouco depois de a arquidiocese católica de Boston ter concordado em pagar uma indenização média de US$ 75 mil a cada uma das 88 pessoas que afirmaram ter sofrido abusos sexuais cometidos por sacerdotes. A denúncia contra o presidente da Conferência Episcopal acontece dois dias antes do fim do prazo para que se apresentassem provas relativas às denúncias de abusos similares que teriam sido cometidas por clérigos da diocese de Spokane. No mês passado, a diocese ofereceu às 75 vítimas de pedofilia um acordo extrajudicial de US$ 45,75 milhões.

Agencia Estado,

10 Março 2006 | 03h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.