Andrew CABALLERO-REYNOLDS / AFP
Andrew CABALLERO-REYNOLDS / AFP

Bispo que desafiou o distanciamento social morre após contrair coronavírus

Fundador de igreja na Virgínia prometeu continuar pregando a menos que estivesse na cadeia ou no hospital

Neil Vigdor / The New York Times, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2020 | 11h43

RICHMOND - Um bispo da Virgínia que desafiou os avisos sobre o perigo de reuniões religiosas durante a pandemia do coronavírus e prometeu continuar pregando a menos que estivesse "na cadeia ou no hospital" morreu no fim de semana depois de contrair a covid-19, informou a igreja a qual ele pertence.

O bispo Gerald Glenn, de 66 anos, fundador e pastor da Igreja Evangélica New Deliverance em Chesterfield, na Virgínia, morreu na noite de sábado, segundo Bryan Nevers, um integrante da igreja. Nevers anunciou a morte de Glenn durante um sermão da Páscoa publicado na página do Facebook da congregação pentecostal da região. 

Marcietia Glenn, de 65 anos, mulher do bispo, também testou positivo para o vírus, disse Mar-Gerie Crawley, filha deles, em um post de 4 de abril na página da igreja no Facebook. Crawley disse na época que seu pai estava precisando usar um respirador em um hospital. "Peço às pessoas que entendam a gravidade e a seriedade disso, não se trata apenas de nós, mas de todos os que estão à nossa volta", escreveu Crawley.

Os membros da igreja fizeram vigília e alguns jejuaram por Glenn, cuja morte foi amplamente lamentada. “Ele era amigo e pilar da comunidade religiosa de Richmond. Todos podem fazer o mesmo por tantos", escreveu o senador Tim Kaine em seu Twitter. 

A morte de Glenn ocorre em um momento em que líderes que vão desde o Papa Francisco até pastores locais dos EUA  enfrentam os desafios do distanciamento social. Alguns pastores desafiaram os argumentos dos governadores e das autoridades de saúde pública para fechar casas de culto. Na Flórida, o pastor de uma mega-igreja pentecostal foi preso no mês passado depois de se reunir com centenas de fiéis.

Durante um sermão de 22 de março, Glenn pregou para algumas dezenas de fiéis na igreja e publicou o vídeo no Youtube. Depois, o conteúdo foi removido. Na época, o bispo foi citado pela imprensa dizendo que "Deus é maior que o temido vírus". A mídia local informou que Glenn disse que continuaria pregando "a menos que eu esteja na prisão ou no hospital".

Em 30 de março, oito dias após o sermão, o governador Ralph S. Northam emitiu uma ordem de permanência das pessoas em suas casas na Virgínia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.