Bispo que ocultou abusos sexuais tem pena reduzida

Uma corte francesa considerou culpado hoje o bispo católico Pierre Pican, por ocultar o fato de que um padre estava abusando sexualmente de crianças de sua paróquia, sentenciando-o a três meses de prisão com direito a liberdade condicional.Pican, de 66 anos, bispo de Bayeux-Lisieux, na região da Normandia, corria o risco de ser sentenciado a três anos de prisão, segundo as leis francesas. No entanto, a pena foi menor ainda que a solicitada pelo procurador Jacques-Philippe Segondat, que era de quatro a seis meses de reclusão sem direito a sursis.Segondat, ao apresentar seus argumentos finais durante o fechamento do processo em junho na corte da cidade francesa de Caen, fez questão de deixar claro que não era a "Igreja Católica que estava sendo avaliada no julgamento" do bispo - o primeiro na França desde 1841. "Este é um julgamento de um homem da igreja que falhou em suas obrigações", disse ele.Os advogados de Pican, por sua vez, argumentaram que o bispo foi motivado por seu apego ao segredo profissional, mesmo que ele tenha sido informado dos fatos fora da confissão.O padre, René Bissey, foi sentenciado em outubro do ano passado por estupro e abuso sexual de 11 menores entre 1996 e 1998. Ele recebeu uma pena de 18 anos de prisão. Na semana passada, Bissey anunciou ter decidido não apelar da sentença.Foi o testemunho de um rapaz de 22 anos, identificado apenas como Yann R., uma das vítimas do padre, que trouxe o caso à tona. Uma associação que defende crianças que sofreram abusos, a Enfant Bleu, abriu, então, um processo contra o bispo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.