Bispos mexicanos pedem fim de violência

Vários bispos e sacerdotes católicos do México pediram hoje aos narcotraficantes e a outros criminosos que ponham fim à violência e se arrependam de seus pecados por ocasião da Semana Santa. Os clamores em favor da paz e de uma "trégua" dos criminosos foram feitos pelos prelados das cidades de Nuevo Laredo, Tijuana (fronteiriças com os EUA) e Acapulco (sul), castigadas por uma onda de crimes atribuída aos traficantes de drogas e aos seqüestradores. Em Tijuana, cidade do estado de Baixa Califórnia, na fronteira com a Califórnia, um agente da Polícia judicial, Sergio Alberto Montes, foi morto hoje por pistoleiros. O procurador de Justiça da Baixa Califórnia, Antonio Martínez Luna, disse que está sendo investigado se Montes foi assassinado por narcotraficantes, seqüestradores ou por coiotes. Montes fazia parte da unidade anti-seqüestro da Polícia judicial. Os sacerdotes de Tijuana pediram aos criminosos que ponham fim à onda de violência que nos últimos dias matou outros agentes e durante a qual empresários mexicanos e americanos foram seqüestrados. O bispado de Nuevo Laredo (Tamaulipas) pediu aos criminosos que decretem uma "trégua" por ocasião da Semana Santa e denunciou que a onda de violência matou este ano 80 pessoas na cidade, na fronteira com a localidade americana de Laredo (Texas). Mas os criminosos não ouviram o pedido dos religiosos. Um jovem que viajava em um veículo com placa do Texas foi ferido a tiros esta tarde e está internado em estado grave em um hospital de Nuevo Laredo, segundo a Polícia. A Secretaria de Segurança Pública de Tamaulipas disse que ainda não foi determinado o motivo do ataque contra o jovem e que seus agressores estão sendo procurados. Além disso, o arcebispo da cidade turística de Acapulco (Guerrero), monsenhor Felipe Aguirre, pediu aos narcotraficantes "que se arrependam de seus pecados e se aproximem do Santíssimo Sacramento para obter o perdão e recuperar a fé". "Os assassinatos e o indigno comércio de drogas representam um pecado muito grave, mas a misericórdia de Deus é maior que a falha do homem", enfatizou o prelado. Monsenhor Aguirre espera que os recentes ataques com granadas cometidos em Acapulco e localidades próximas, que deixaram pelo menos quatro mortos e dezenas de feridos, "sejam os últimos atos de violência dos criminosos, que devem se arrepender de seus pecados e voltar os olhos a Deus". As autoridades do estado de Guerrero redobraram a vigilância policial e militar na região após a recente onda de violência. Milhares de turistas nacionais e estrangeiros estão em Acapulco e em outros lugares de Guerrero por causa do feriado de Semana Santa. Por causa da violência no estado, o Governo do presidente mexicano, Vicente Fox, iniciou em Guerrero o plano militar e policial "México seguro", embora os analistas considerem que não deu os resultados esperados. O plano "México seguro" também está em vigor em Nuevo Laredo e em outras localidades do norte e do oeste do país, onde operam traficantes de drogas e de armas, seqüestradores e outros criminosos. A onda de violência atribuída ao crime organizado matou mais de 1.500 pessoas no ano passado em diversas localidades do México, segundo organizações privadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.