Blair abre caminho para Gordon Brown como seu sucessor

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, indicou que Gordon Brown poderá ser seu sucessor, ao revelar o último programa de metas e prioridades de seu governo antes de deixar o cargo de premier no ano que vem. A informação é do jornal inglês The Independent. Blair surpreendeu a todo na câmara dos Comuns, inclusive o prórpio Gordon Brown, ministro das Finanças, ao considerar que Brown é seu sucessor inevitável. Um Gordon Brown radiante deu tapinhas nas costas de Blair ao final do discurso. "Todos sabem o que isso significou", afirmou um aliado de Blair. "Isso não foi cominado. Não estávamos esperando." Apesar das críticas e pedidos de renúncia feitas a Blair por apoiadores de Brown em setembro - manobra vista como uma tentativa de antecipar a saída do premier -, o primeiro-ministro e o ministro das Finanças passaram a trabalhar juntos nas últimas semanas. Ainda assim, não está definido quando Blair irá deixar o cargo. "Gordon não sabe", disse um de seus assessores. Alguns aliados de Blair sugerem que o seu "longo adeus" irá durar até o meio do ano que vem. Mas Brown se opõe à idéia, e quer causar o máximo impacto no país durante os primeiros 100 dias de mandato, e não quer assumir apenas depois do período de férias de verão. A aprovação de Blair elimina quaisquer esperanças dos ultra-blairistas, que temem que Brown possa perder as próximas eleições gerais, ou que outro ministro possa desafiar Brown pela liderança. Alguns têm tentado persuadir John Reid, secretário do Interior, ou David Miliband, secretário de Meio Ambiente a concorrer, porém sem sucesso. John Hutton, secretário do Trabalho e Pensões, aliado de Blair, disse que o Partido Trabalhista teve que "seguir em frente" após a tentativa de golpe, e acrescentou: "Acho que Gordon Brown será um líder impressionante do partido."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.