Blair compara Saddam a Hitler e critica oposicão "bem-intencionada"

Os opositores de uma ação militar contra o Iraque estão repetindo o engano daqueles que se recusaram a confrontar Adolf Hitler nos anos 30, antes do início da 2ª Guerra Mundia (1939-45). Esta é a opinião do primeiro-ministro britânico Tony Blair, segundo afirmações publicadas hoje. Em sua mais recente tentativa de angariar apoio à guerra contra o governo de Saddam Hussein, Blair se disse disposto a ser "julgado pela história"Ao jornal The Guardian, Blair disse que "uma maioria de pessoas bem-intencionadas disseram que não havia necessidade de confrontar Hitler". "Quando decidiram não enfrentar o fascismo, estas pessoas estavam fazendo a opção mais popular, por boas razões, eram gente de bem... mas fizeram a escolha errada."Para a oposição, a comparação entre o Iraque de Saddam e a Alemanha de Hitler não tem validade. Ela argumenta que, ao contrário do líder nazista, Saddam não tem poder de fogo que ameace a Grã-Bretanha. Blair argumenta que não espera um ataque de Saddam em breve, nem contra seu país nem contra os vizinhos iraquianos, mas avisa que o histórico do presidente iraquiano indica que, tão logo tenha os meios para atacar, o fará, e, quando isto acontecer, a comunidade internacional o encontrará muito mais perigoso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.