Blair defende deportação de prisioneiros estrangeiros

O primeiro-ministro britânico Tony Blair disse nesta quarta-feira que prisioneiros estrangeiros devem ser deportados independente dos perigos que possam enfrentar em seus países de origem. Pressionado pelo líder da oposição conservadora, David Cameron, o ministro disse à legisladores na Câmara dos Comuns que contempla mudar a lei para assegurar que a maioria dos prisioneiros estrangeiros sejam deportados automaticamente."Essas pessoas, na minha opinião, devem ser deportadas independente das acusações que enfrentam em seus países. Por isso é importante revisarmos a legislação para assegurar que a presunção automática seja aplicada", afirmou o premier.O porta-voz do ministro afirmou mais tarde que indivíduos podem evitar a deportação se enfrentarem ameaças específicas à sua segurança.Os comentários de Blair foram feitos em meio à controvérsia sobre o tratamento que o governo oferece aos detentos estrangeiros. O governo revelou no mês passado que 1,023 prisioneiros de vários países foram liberados sem serem deportados. O Secretário do Interior, Charles Clarke perdeu o emprego em meio à crise e seu sucessor, John Reid, disse esta semana que 98 acusados, incluindo um por assassinato, ainda estão à solta. O Ministro da Imigração, Tony McNulty reconheceu mais tarde que a situação em alguns países é muito precária para o retorno de algumas pessoas. Ele indicou que sob as reformas que estão sendo consideradas atualmente, tais indivíduos podem "servir mais tempo nas prisões no Reino Unido para permitir que as condições em seus países melhorem."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.