Blair desculpa-se por informação errada, não pela guerra

O primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, em discurso na convenção anual de seu partido, o Trabalhista, pediu união e apoio na busca por um terceiro mandato. Ao mesmo tempo em que reconheceu que as informações sobre armas de destruição em massa do Iraque estavam erradas, afirmou que o mundo é um lugar melhor com Saddam Hussein na cadeia. "Posso me desculpar pela informação que se mostrou errada, mas não posso, ao menos não com sinceridade, desculpar-me por remover Saddam. O mundo é um lugar melhor com Saddam na prisão em vez de no poder", disse o premier a seus correligionários.Com eleições nacionais na Grã-Bretanha previstas para maio de 2005, Blair apresentou uma série de novas políticas e exortou os delegados trabalhistas a fazer uma campanha intensa pela reeleição. O primeiro-ministro lembrou que, em 100 anos de existência, o Partido Trabalhista nunca conseguiu se manter no poder por três mandatos consecutivos. "A briga vale a pena. Agora, vamos lá fazer isso", disse.Embora pretenda ser uma base de lançamento para a eleição, a convenção de cinco dias se vê eclipsada pelo seqüestro do britânico Kenneth Bigley em Bagdá e pelo derramamento contínuo de sangue no Iraque. O premier prestou tributo aos dois soldados britânicos mortos hoje no país árabe e solidarizou-se com Bigley. Alguns membros do partido continuam inconformados com a guerra. Um delegado, que se identificou como Hector Christie, gritou para Blair: "Você tem sangue nas mãos", antes de ser retirado do local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.