Blair diz que mundo pode ser mais seguro em 2004

Do Iraque à Líbia, o mundo podetornar-se um lugar mais seguro em 2004, mas o trabalho deve servisto no final, disse ontem o primeiro-ministro britânico, TonyBlair, em sua mensagem de ano-novo. A captura do deposto líder iraquiano Saddam Hussein e apromessa da Líbia de desmantelar seus programas de armas dedestruição em massa trouxeram alguma trégua a Blair, após um anoem que sua popularidade teve uma grande queda por sua decisão delevar a Grã-Bretanha à guerra, ao lado dos EUA, no Iraque. "A decisão de ir para a guerra no Iraque foi a mais difícil detodas", disse Blair em sua mensagem. Mas ele acrescentou: "Arecente captura de Saddam Hussein foi um marco vital no caminhopara um Iraque estável." Blair disse que em 2004 a Grã-Bretanha deverá seguir com atarefa de reconstrução do Iraque, a fim de tornar esse país emuma nação democrática que sirva de modelo ao Oriente Médio. Em Paris, o presidente francês, Jacques Chirac, declarou que aluta contra o desemprego será o desafio mais importante de2004. O esperado crescimento econômico "deverá levar em 2004 àredução da desocupação", disse Chirac durante uma reunião degabinete. O governo do primeiro-ministro conservador Jean-PierreRaffarin fará o possível para "superar esse desafio de mododuradouro", disse Chirac. Como méritos mais importantes do governo em 2003, o presidentefrancês mencionou as decisivas reformas como a das pensões, aredução de impostos e contribuições".

Agencia Estado,

31 de dezembro de 2003 | 18h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.