Blair diz que soldados britânicos foram executados

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, afirmou que soldados de seu país foram feitos prisioneiros e "executados" por militares iraquianos, um ato que o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, classificou de "crime de guerra".Durante uma entrevista concedida por ambos os mandatários em Camp David, onde realizaram uma cúpula sobre a guerra no Iraque, Blair afirmou que "dia a dia vemos a realidade do regime do (presidente iraquiano) Saddam Hussein"."Seus homens, preparados para matar o seu próprio povo, a exibição de prisioneiros de guerra, e agora a difusão destas fotografias de soldados britânicos executados", afirmou Blair.Por sua parte, Bush disse que os soldados britânicos, "desarmados, foram assassinados, executados". Trata-se, segundo ele, de "um crime de guerra".Falando à rede de TV CNN, o general Peter Pace, o militar "número 2" do Pentágono, afirmou que os Estados Unidos estão "reunindo material" para comprovar as suspeitas sobre as execuções de soldados feitos prisioneiros. Os iraquianos, afirmou Pace, "executaram prisioneiros de guerra". Neste caso em especial, o militar estaria se referindo a alguns dos soldados da retaguarda americana capturados no domingo, durante uma emboscada no sul do Iraque. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.