Blair e Musharraf prometem derrotar insurgência afegã

Os chefes de estado da Inglaterra e do Paquistão juraram seu comprometimento em derrotar insurgentes no Afeganistão em uma reunião nesta quinta-feira, deixando de lado o vazamento de um documento do Ministério da Defesa britânico que alegava que forças de segurança de Islamabad estão indiretamente apoiando grupos terroristas. O primeiro-ministro Tony Blair e o presidente general Pervez Musharraf conversaram por duas horas, e ambos reforçaram seus apoios a uma missão liderada pela Otan para apoiar o governo de Cabul, disse um porta-voz de Blair.Os dois líderes reuniram-se após a visita de Musharraf aos EUA, onde manteve conversas, na quarta-feira, com os presidentes George W. Bush, dos EUA, e Hamid Karzai, do Afeganistão. Os líderes dos três países tiveram um encontro para discutir, segundo fontes, um entendimento para a conflituosa relação Afeganistão-Paquistão. As conversas na Inglaterra estavam ameaçadas de serem ofuscadas por um documento militar obtido pela rede BBC que acusava o serviço de inteligência paquistanês, o ISI, de dar apoio a grupos terroristas. A emissora relatou que o documento foi escrito por um importante pesquisador não-identificado da Academia de Defesa, reduto de intelectuais do Ministério da Defesa e uma faculdade. Musharraf rejeitou as alegações de que o ISI havia indiretamente apoiado grupos terroristas e trouxe a questão à tona durante sua conversa com Blair."O presidente aceitou que o documento não faz parte da política de governo, então não houve mais motivos para falar sobre isso", disse um porta-voz de Blair, falando em condição de anonimato de acordo com a conduta seguida pelo governo. O governo britânico reiterou sua antiga posição de que o Paquistão é um aliado-chave na luta contra o terrorismo. Musharraf disse que sua agência de inteligência é uma importante participante na guerra contra o terror e disse que seu trabalho havia levado à prisão de 680 suspeitos de terrorismo. Seguindo seu encontro em Washington, ele disse estar decidido que o Afeganistão e o Paquistão ter uma melhor coordenação e interação de inteligência para cumprir com os desafios de combater militantes. Mas uma coletiva de imprensa após o encontro com Bush revelou uma gélida relação entre Karzai e Musharraf.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.