Blair enfrenta queda de popularidade e rebelião de trabalhistas

O primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, voltou de férias no Caribe enfrentando uma quedavertiginosa dos trabalhistas nas enquetes e uma rebelião em suas próprias fileiras. Segundo uma pesquisa publicada neste sábado pelo jornal conservador "The Daily Telegraph", se as eleições fossem hoje os conservadores deDavid Cameron obteriam 38% dos votos, contra 31% dos trabalhistas e 18% dos liberais-democratas. Pesquisa anterior, do jornal "The Observer", próximo ao governo, dava uma vantagem até maior aos "tories": 40%, contra 31% dos trabalhistas e 22% para o terceiro partido. O descontentamento dos eleitores com o rumo dado à política externa pelo líder trabalhista desde a sua decisão de invadir o Iraque, alegando o pretexto das armas de destruição em massa deSaddam Hussein, é cada vez maior e cresce a cada ameaça terrorista. Uma manifestação clara da crescente inquietação de muitos trabalhistas com a política do governo é a saída, anunciada na sexta-feira, de quase 40 militantes. Eles se transferiram em bloco parao partido liberal-democrata, a única entre as grandes formações que se opôs à Guerra no Iraque desde o princípio. Significativamente, os 37 ex-trabalhistas pertencem à circunscrição da nova ministra de Relações Exteriores, Margaret Beckett, em Derby South. A maioria é de muçulmanos de origemPaquistanesa. "A guerra do Líbano me fez mudar de opinião e me fez sentir que estava no partido errado", disse Mohammed Rawail Peeno, um dosdivergentes. A recusa de Blair a se unir a outros governos europeus para exigir de Israel um cessar-fogo imediato no conflito armado com a milícia xiita libanesa Hezbollah foi a gota d´água. Cada vez mais trabalhistas mostram seu desespero com o estrago à imagem do partido provocado pelo que chamam de "obsessão de Blair": o alinhamento com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, na crise do Oriente Médio. A saída de Jack Straw do Ministério de Relações Exteriores, em maio, e sua substituição por Margaret Beckett foram atribuídas apressões do governo americano. Washington teria se irritado com a posição de Straw, que havia considerado "inconcebível" um ataquemilitar ao Irã por causa do seu programa nuclear. A comunidade muçulmana, cujos votos são muito importantes para os trabalhistas, está cada vez mais revoltada com o governo Blair, que tem apoiado Bush em todas as questões relacionadas comIsrael e seus vizinhos árabes. Mas o descontentamento do eleitorado com o primeiro-ministro não se limita à política externa. Outras questões importantes dizemrespeito à aproximação de Blair com ricos e poderosos. Há suspeita de venda de cargos e títulos honoríficos, trocados por generosasdoações ao partido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.