Blair espera ver questão iraniana no Conselho de Segurança

O premier britânico, Tony Blair, declarou que é provável que os países do Ocidente imponham sanções econômicas ao Irã, agora que a República Islâmica reiniciou seu programa de pesquisa nuclear. No Irã, lideranças nacionais disseram que o país não interromperá o programa, mesmo sob punição internacional. na terça-feira, o Irã rompeu os lacres da ONU numa unidade de enriquecimento de urânio, e autoridades informaram que o país punha fim a dois anos de congelamento do programa nuclear."Acho que a primeira coisa a fazer é obter um acordo para levar o caso ao Conselho de Segurança (da ONU), e se isso for o que os aliados decidirem em conjunto, como creio que parece provável", disse Blair à Câmara dos Comuns, acrescentando que mantém contato estreito com Washington na questão. "Obviamente não excluímos nenhuma medida", disse ele, quando perguntado sobre a possibilidade de sanções. "É importante que o Irã reconheça a seriedade com que a comunidade internacional" trata a questão.Em Moscou, a chancelaria informa que a secretária de estado dos EUA, Condoleezza Rice, discutiu a questão com o ministro de Relações Exteriores Sergey Lavrov, e que ambos compartilham de um "profundo desapontamento" com a decisão iraniana de retomar o enriquecimento de urânio. Em um discurso transmitido ao vivo pela TV estatal, o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, prometeu levar o programa nuclear adiante. "Digo às superpotências que, com força e prudência, o Irã pavimentará o caminho para a energia nuclear pacífica. A nação iraniana não teme as potência e seu ruído".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.