Blair falhou em luta contra drogas no Afeganistão, diz jornalista

O primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, "fracassou desgraçadamente" em sua proclamada ambição de erradicar a produção de ópio no Afeganistão. Assim afirma no último número do semanário New Statestman o jornalista investigativo Misha Glenny, que está escrevendo um livro sobre o crime organizado.Em outubro de 2001, Blair justificou com as seguintes palavras a participação do Reino Unido na invasão americana do Afeganistão: "Atuamos assim porque a rede Al Qaeda e o regime talibã são financiados, em boa medida, pelo comércio de drogas"."De toda heroína vendida nas ruas do Reino Unido, 90% procede do Afeganistão. Portanto, nos interessa pôr fim a esse comércio", disse, na época, o líder trabalhista.No entanto, segundo Glenny, essa luta foi gravemente comprometida pela recusa da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) em apoiar os programas de erradicação que o Governo de Londres considera essenciais para o sucesso da iniciativa."Agora, os talibãs estão fazendo rios de dinheiro com a droga, garantindo, ao mesmo tempo, que suas forças continuem bem armadas", escreve Glenny.Os assessores do governo de Londres advertiram a tempo que o dinheiro previsto para a operação "Helmand" (nome da província afegã com as maiores plantações de papoula do país) - US$ 1,65 bilhão - não seria suficiente para as quatro metas da campanha de erradicação.Essas eram proteger as próprias forças britânicas, oferecer segurança à população local, levar a cabo a reconstrução econômica do país e erradicar as plantações de papoula.No Afeganistão, organizações criminosas apoiadas por uma rede de líderes tribais estão fazendo grandes negócios em colaboração estreita com os talibãs, diz o jornalista.Glenny faz um paralelo com a situação na Colômbia, onde o dinheiro da droga também serve para financiar atividades guerrilheiras.Na Colômbia, destaca o repórter, a riqueza derivada do comércio de coca equivale a apenas 3% do Produto Interno Bruto. No entanto, essa quantia é suficiente para financiar as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e os paramilitares.No Afeganistão, desde a queda do regime talibã, o comércio de ópio representa, segundo fontes da ONU, nada menos que 51% do PIB, "o que torna impossível", destaca Glenny, "para o governo de Cabul controlar qualquer parte do país fora da capital".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.