Blair faz visita surpresa ao Afeganistão

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, chegou, na segunda-feira à meia-noite, para uma visita surpresa ao Afeganistão a fim de reiterar seu compromisso em relação à reconstrução do país. Em meio a estritas medidas de segurança, Blair e sua esposa Cherie chegaram do Paquistão em um vôo militar para se reunirem com o primeiro-ministro do governo interino, Hamid Karzai, e tropas britânicas no aeroporto de Bagram, nos arredores de Cabul, a capital afegã. À sua chegada, Blair foi recebido por uma guarda de honra e uma banda militar local. Além de Karzai, Blair também deverá reunir-se com o enviado especial da ONU ao Afeganistão, Lakhdar Brahimi. Não ficou claro se também dialogaria com nove senadores americanos que haviam chegado pouco antes. A visita, a primeira de um líder da coalizão desde o início da campanha militar, "é uma indicação de nosso compromisso a longo prazo, em primeiro lugar no que diz respeito ao Afeganistão e, depois, a esta região", disse aos jornalistas o porta-voz de Blair antes de partir de Islamabad, no Paquistão. "Reconhecemos que há uma queixa legítima de que o Ocidente descuidou do Afeganistão depois da guerra com a Rússia. Reconhecemos que o povo deve saber que não estamos aqui somente hoje, amanhã, a próxima semana e achar que, em seguida, iremos embora", disse o porta-voz, que falou sob a condição de não ser identificado. "O que temos visto é o preço que se paga por fazer vista grossa aos problemas do mundo", acrescentou. Blair estabeleceu o compromisso de seu governo em colaborar "ombro a ombro" na campanha militar contra a rede Al-Qaeda de Osama bin Laden. Um submarino britânico disparou projéteis no primeiro dia dos ataques, os aviões-tanque britânicos escoltaram as missões americanas de bombardeios e tropas das forças especiais britânicas foram enviadas ao Afeganistão. A Grã-Bretanha lidera agora uma força internacional de estabilização em apoio ao governo interino afegão. A rápida visita de Blair ao Afeganistão - a primeira de um chefe de governo britânico ao país - ocorre no final da viagem do primeiro-ministro britânico pela região, que foi quase totalmente monopolizada pelas tensões entre a Índia e o Paquistão.

Agencia Estado,

07 Janeiro 2002 | 19h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.