Blair insiste que armas do Iraque ofereciam perigo

O primeiro-ministro Tony Blair, enfrentando duas investigações sobre as alegações que fez, de que o Iraque possuía armas proibidas, insistiu que Saddam Hussein representava uma ameaça ao Oriente Médio e ao resto do mundo. Na terça-feira, dois ex-ministros acusaram o governo de Blair de ter exagerado a ameaça representada pelo arsenal de Saddam.Mas Blair afirmou, na Câmara dos Comuns, que nunca acusou o líder iraquiano de representar uma ameaça direta à Grã-Bretanha."Saddam Hussein era uma ameaça para sua região e para o mundo em geral", alegou. "Sempre deixei claro que a questão não era se ele estava prestes a lançar um ataque imediato contra a Grã-Bretanha. A questão era se ele apresentava uma ameaça para sua região e para o mundo em geral".Blair tem resistido a pedidos por uma profunda investigação pública sobre o uso da informação de inteligência, mas duas comissões parlamentares estudam a questão, especialmente em relação a dois dossiês sobre armas iraquianas publicados pelo governo antes da guerra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.