Blair justifica intervenção no Iraque e no Afeganistão

O primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, lamentou neste domingo a morte de dois soldados britânicos no choque de dois helicópteros de seu país no norte de Bagdá, mas insistiu em que a intervenção no Iraque e no Afeganistão se "justifica" e é "correta"."Para as famílias, esse é sempre um momento terrível, um momento de grande dor e angústia", disse Blair em entrevista no programa Politics Show, da rede pública britânica BBC."Mas o que nossas tropas estão fazendo no Iraque e no Afeganistão é lutar contra as mesmas forças de terrorismo e extremismo que estão operando hoje no mundo todo", acrescentou.Segundo ele, a população "entenderá com o tempo" por que é importante que o Reino Unido lute contra essas pessoas "onde quer que estejam". O primeiro-ministro reconheceu que o Reino Unido manteve no Iraque, no Afeganistão, em Kosovo e em Serra Leoa "uma política externa enormemente intervencionista" e diferente da desenvolvida anteriormente.Redução O Ministério da Defesa do Reino Unido abriu uma investigação para esclarecer o acidente com os helicópteros no Iraque. Segundo os primeiros relatórios, a causa não foi um ataque dos insurgentes.Inicialmente, o comando militar dos EUA tinha informado que os helicópteros eram americanos, bem como os dois soldados mortos, e que cinco tinham ficado feridos.Com as mortes, sobe para 142 o número de soldados britânicos mortos no Iraque desde o começo da invasão liderada pelos EUA, no início de março de 2003.O Reino Unido tem cerca de 7.100 militares no Iraque, a maioria na província de Basra, mas o contingente vai ser reduzido para menos de 5 mil soldados antes do fim do ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.