Blair lamenta renúncia de Trimble

Vários políticos britânicos e irlandeses, entre eles o primeiro-ministro Tony Blair, lamentaram hoje a renúncia do primeiro-ministro David Trimble ao governo conjunto católico-prostestante da Irlanda do Norte. Trimble disse estar disposto a retornar ao cargo, evitando assim um possível colapso da coalizão, caso o Exércio Republicano Irlandês (IRA) comece a desarmar-se, como previsto no acordo de paz da Sexta-Feira Santa. "Estou preparado para retomar o diálogo, mas somente se essa questão for resolvida", afirmou Trimble em Thiepval, França, onde assistiu a uma cerimônia de homenagem aos milhares de soldados irlandeses mortos na Batalha de Somme, em 1916. Em Londres, Tony Blair disse compreender as motivações de Trimble e prometeu convocar uma nova rodada de negociações este mês, que, espera, resultarão na reeleição de Trimble. "Causa-me profunda pena que David Trimble tenha renunciado, embora compreenda perfeitamente suas razões para tê-lo feito", disse Blair, acrescentando: "Como David, eu também desejo ver a total implementação do acordo de Sexta-feira Santa em todos os seus aspectos e esse será nosso objetivo nas conversações dos próximos dias." O presidente do Sinn Fein, Mitchel McLaughlin, disse que o IRA não fará nada para facilitar o retorno de Trimble. "O IRA não responderá a chantagens", afirmou McLaughlin.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.