Blair nega declaração de filho de Kadafi

As especulações sobre o real motivo da libertação na quinta-feira do único condenado pelo atentado de Lockerbie, que deixou 270 mortos na Escócia em 1988, colocou a Grã-Bretanha em uma saia justa diplomática. Ontem o ex-premiê Tony Blair negou que a libertação do líbio Abdelbaset Ali al-Megrahi tivesse relação com interesses comerciais e tivesse sido abordada durante seu governo (1997-2007). A controvérsia começou na sexta-feira, quando Seif al-Islam, um dos filhos do ditador Muamar Kadafi, afirmou que a libertação sempre foi uma condição para qualquer negociação entre Líbia e Grã-Bretanha. A Escócia alegou razões humanitárias para libertar Megrahi, que tem câncer de próstata terminal. Com um abraço, Kadafi recebeu Megrahi na Líbia, na sexta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.