Blair nomeia gabinete; Cook fora do ministério

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, revelou nesta sexta-feira os nomes de seu novo gabinete, tirando de Robin Cook a função de secretário de Relações Exteriores em uma alteração inesperada. A remoção de Cook faz parte de uma reformulação radical da estrutura do governo Blair. Cook foi substituído por Jack Straw, secretário de Interior durante o último governo. Depois de passar o dia reunido com seus ministros, Blair revelou as alterações pouco depois das 21h locais. O ex-ministro de Educação David Blunkett substitui Straw na Secretaria de Interior. Cook permanece no gabinete como líder do governo na Câmara dos Comuns. O líder na Câmara dos Comuns organiza os temas parlamentares e as leis quando o primeiro-ministro e o vice-primeiro-ministro estão ausentes. Por meio de um comunicado, Cook mostrou-se contente com seu novo posto. "Antes de tudo, eu sempre fui um parlamentar e fiquei longe da Câmara dos Comuns durante os últimos quatro anos", declarou. "Inevitavelmente, como secretário de Exterior, passei pouco tempo na Câmara. Estou feliz por poder voltar ao centro dos debates", acrescentou. Político com reputação de grande pensador e articulado debatedor, Cook, de 51 anos, ocupou a Secretaria de Relações Exteriores desde a vitória eleitoral trabalhista em 1997. Blair anunciou alterações em diversos departamentos, criando a Secretaria de Ambiente e Assuntos Rurais, chefiada por Margaret Beckett. O novo ministro do Trabalho é o ex-secretário da Agricultura Nick Brown. Outro proeminente membro do gabinete, o vice-primeiro-ministro John Prescott, deixa o Departamento de Transporte e de Governos Local e Regional para ser o novo ministro de Gabinete. E algumas mulheres foram promovidas a postos-chave do novo governo Blair: Estelle Morris é a chefe do novo Departamento de Educação e Cultura; Tessa Jowell é a nova secretária de Estado da Cultura, Imprensa e Esportes; e Patricia Hewitt ocupa a Secretaria de Estado de Indústria e Comércio e o Ministério da Mulher.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.