Blair pede a Otan que mantenha unidade no Afeganistão

O ex-primeiro-ministro britânico TonyBlair disse na quinta-feira que a Otan deve enfrentar seusinimigos no Afeganistão de forma firme e unida, numa aparentealusão aos recentes relatos de atritos entre os aliadosocidentais. Em discurso no Canadá, país muito dividido quanto à suaparticipação nos combates contra os militantes do Taliban,Blair disse que esse e outros países da Otan "têm de tomar umadecisão nesta luta global contra o terrorismo". Há poucos dias, o número de mortos canadenses no sul doAfeganistão subiu para 77. O secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, criticou ementrevista publicada na quarta-feira o comportamento dos demaispaíses da Otan. O governo norte-americano rapidamente interveiopara evitar que algum aliado se irritasse. Gates telefonou ao ministro canadense da Defesa, PeterMacKay, dizendo que o jornal Los Angeles Times publicou suasdeclarações fora de contexto. Na quinta-feira, ele negou quehaja atritos entre os membros da Organização do Tratado doAtlântico Norte. Blair, que como primeiro-ministro enviou tropas daGrã-Bretanha ao Afeganistão, foi questionado sobre se haviaalguma boa notícia nessa missão, na qual muitos canadensesacham que seu país sofre perdas desproporcionais. "Sei que é muito desconfortável acionar nossas forçasarmadas, mas qualquer que sejam as questões políticas, vocêsdeveriam estar imensamente orgulhosos das tropas canadenses",disse Blair em Toronto. O Canadá atua na região de Candahar. Pesquisa divulgadanesta semana mostrou que 47 por cento dos canadenses querem queos soldados voltem assim que possível, e outros 31 por centoquerem a permanência das tropas em Candahar, mas sem funções decombate. (Por Jonathan Spicer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.