Blair pede aliança de moderação para combater terrorismo

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, pediu nesta terça-feira uma "aliança de moderação" para combater o terrorismo que se expande ao longo do Oriente Médio.O premier disse que ainda tem esperanças de que acabe logo os confrontos entre Israel e o Hezbollah no sul do Líbano, e que, quando isso ocorrer, uma aproximação para a paz global deve ser dramaticamente reconsiderada. "Continuaremos fazendo tudo o que podemos para acabar com as hostilidades", disse Blair em seu discurso a mais de duas mil pessoas durante o Conselho de Assuntos Mundiais, realizado em Los Angeles. "Porém, quando isso ocorrer, devemos nos comprometer a completar o renascimento de nossa estratégia de vencer os que nos ameaçam." "Meu argumento é esse: não venceremos a batalha contra esses extremistas globais se não vencermos por meio de nossos valores (...)." Blair acrescentou que uma leve aproximação é necessária para combater o extremismo que se multiplica no Oriente Médio. Ele afirmou que "essa guerra não pode ser vencida por meios convencionais. Isso requer uma mudança dramática no foco da nossa política". Durante o discurso, Blair também pagou tributo aos três soldados britânicos mortos no Afeganistão e a outro que morreu na cidade de Basra, no Iraque.O líder inglês disse que as ações militares no Iraque e no Afeganistão não são apenas sobre mudanças de regimes, mas mudanças de valores. "Poderíamos simplesmente ter escolhido a segurança como o campo de batalha, mas não fizemos isso. Escolhemos valores. Nós dissemos que não queríamos outro Taleban ou uma versão diferente do Saddam. A meu ver, percebemos que você não pode derrotar uma ideologia fanática apenas matando ou prendendo seus líderes; você tem que derrotar seus ideais."Os ataques do Hezbollah em Israel foram feitos com o intuito de provocar retaliações e inflamar as opiniões árabes e muçulmanas contra o Ocidente, disse o primeiro ministro, acrescentando estar esperançoso de que uma solução que levará a uma paz permanente na região está a caminho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.