Blair pede que o mundo apóie governo palestino de unidade

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, disse no domingo que a comunidade internacional deveria retomar seus contatos com os palestinos se o partido Hamas, no poder, aceitar a formação de um governo de unidade, mas apenas se a coalizão aceitar a exigência de renunciar à violência e reconhecer Israel.Com essa declaração, Blair se torna o primeiro líder ocidental a dar a entender que um governo palestino do qual façam parte membros do Hamas seria aceitável. A comunidade internacional vinha boicotando o Hamas, que é considerado uma organização terrorista pelos Estados Unidos e pela União Européia, desde que o grupo conquistou o governo palestino, em eleições realizadas em janeiro.Blair fez suas afirmações após uma reunião com o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas. Abbas, um moderado e líder do partido Fatah, foi escolhido numa eleição diferente da que levou o Hamas ao poder e tenta convencer o grupo extremista a compor um governo de coalizão, na esperança de que a composição force o Hamas a suavizar sua posição contra Israel.O premier britânico afirmou que o governo palestino terá de aceitar as exigências feitas pelo "quarteto" de negociadores da paz para o Oriente Médio - Europa, EUA, ONU e Rússia - renunciando à violência, reconhecendo Israel e acatando os acordos de paz firmados anteriormente com o Estado judeu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.