Blair pede que trabalhistas deixem disputa interna durante congresso

O primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, insistiu neste domingo, 24, que os trabalhistas esqueçam as disputas internas e se concentrem "nas grandes idéias para o futuro" durante o congresso anual do partido, que começou esta tarde em Manchester, no norte da Inglaterra.Em entrevista à BBC, Blair, que adiantou que este será seu último congresso como líder da legenda, reconheceu que as últimas semanas foram "difíceis", mas assegurou que agora quer se concentrar apenas "nas coisas que preocupam as pessoas".No início do mês, começou uma disputa entre os partidários de Blair e os do influente ministro da Economia e Finanças, Gordon Brown, que forçou Blair a anunciar que deixará o poder antes do congresso do partido de 2007, embora sem informar uma data concreta.O chefe do governo, que discursará perante os militantes na próxima terça-feira, confessou que é "estranho" participar de seu último congresso como líder, mas ressaltou que o partido "tem muitos motivos para estar orgulhoso" de seus anos no poder. "Conseguimos três vitórias eleitorais consecutivas pela primeira vez em nossa história, é algo do que se alegrar", comentou na entrevista.Blair afirmou que não sente "nostalgia" - "não sou este tipo de pessoa", esclareceu - e antecipou que prevê voltar a se candidatar como deputado pela circunscrição de Sedgefield, no norte da Inglaterra, quando sair de Downing Street, residência dos primeiros-ministros britânicos.O líder dos trabalhistas desistiu de expressar seu apoio a Brown, considerado seu sucessor natural há anos. Blair explicou que já fez um acordo com seu gabinete, na reunião da semana passada, para não utilizar o congresso para expressar uma preferência sobre sua sucessão, mas para formular as políticas que quer realizar antes de deixar o poder."Gordon foi um ministro fantástico, foi um grande servidor do país e do partido e não nego nada que tenha dito antes (afirmou que Gordon seria um excelente ministro), mas esta semana vou falar aos cidadãos sobre suas preocupações", argumentou em suas declarações à BBC.Blair ressaltou que, em todo caso, seu sucessor continuará com os princípios do Novo Trabalhismo que ele personificou, já que, segundo ele, pela primeira vez em anos, não há divergências ideológicas no partido.Antes de deixar o Governo, o primeiro-ministro quer concluir sua reforma dos serviços públicos, que inclui aumentar a presença do capital privado e reforçar sua política em justiça, imigração e terrorismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.