Blair promete que britânicos não abandonarão Iraque e Afeganistão

O primeiro-ministro do Reino Unido, TonyBlair, prometeu nesta terça-feira que os soldados de seu país não abandonarão oIraque ou Afeganistão "até que o trabalho esteja terminado". Na entrevista coletiva mensal em sua residência oficial, nonúmero 10 de Downing Street, o chefe de governo insistiu em que asforças britânicas posicionadas nos dois países realizam umaimportante missão para a segurança do mundo. Se as forças do Reino Unido saírem de um desses dois países antesde terminar o trabalho, as pessoas contra as quais se luta "sesentirão animadas e não se pode permitir isso, de modo que é precisoterminar o trabalho", afirmou Blair. O primeiro-ministro fez tais comentários depois de o chefe doEstado-Maior do Exército britânico, general Richard Dannatt, pedirna semana passada a retirada das tropas do Iraque por considerar quesua presença "exacerba os problemas de segurança". Blair disse que o militar não estava sugerindo que o Reino Unidodeveria deixar o Iraque ou o Afeganistão "sem levar em conta se otrabalho estava terminado". "É nossa política sair do Iraque quando o trabalho estiverterminado. O que é perigoso é qualquer sugestão de sair antes determinar o trabalho", ressaltou. Sair de Basra (sul do Iraque) seria "desastroso", afirmou Blair,que esclareceu que essa era também a posição de Dannatt. A ambição do Iraque - prosseguiu Blair - é "uma democracia quefuncione, uma economia que funcione e onde a segurança esteja nasmãos das forças iraquianas". Blair considerou "absurdo" dizer que a ação militar no Iraque ouno Afeganistão contribua para o radicalismo no Reino Unido. Em entrevista ao jornal Daily Mail, publicada na sexta-feirapassada, Dannatt criticou o plano de pós-guerra da coalizão lideradapelos Estados Unidos no Iraque e advertiu que a permanência desoldados britânicos solapa a segurança do Reino Unido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.