Blair promete rigor para investigar acidente

O primeiro-ministro britânico Tony Blair prometeu "abrir uma rigorosa investigação" sobre as causas do acidente rodoviário que provocou um choque entre dois trens em Great Heck (norte da Inglaterra), que matou pelo menos 13 pessoas e feriu 70.Por volta de 6h20 locais, um Land Rover, rebocando um Renault, despencou de um pontilhão ferroviário e caiu sobre os trilhos. A polícia acha que o Land Rover pode ter deslizado sobre a neve e o motorista perdido o controle.O motorista, de 36 anos, ficou levemente ferido e tentou informar a estação de North Yorkshire por meio de um telefone celular. Mas não houve tempo. Segundos depois, um trem a 125 quilômetros por hora, que ia de Newcastle (noroeste da Inglaterra) a Londres, atingiu o Land Rover. O veículo foi arrastado por 250 metros e o expresso descarrilou.Nesse momento, surgiu um trem cargueiro a 60 quilômetros por hora, carregado com mil toneladas de carvão mineral. "Houve um violento impacto", disse um passageiro, que saiu levemente ferido. "Foi horrível", afirmou outro."Havia muita gente presa na ferragem; muitos gritavam de dor, mas alguns, terrivelmente mutilados, estavam inertes", contou a estudante Janine Edwards. "Ouvi uma grande gritaria, as luzes apagaram-se, segurei firme na poltrona, houve um grande impacto e o trem virou. Uma mulher ao meu lado, com uma criança, ficou pendurada."Um bombeiro que procurava retirar as pessoas dos escombros usando uma serra elétrica comentou: "Este acidente só não teve a mesma proporção do de Paddington (em 1999, quando morreram 31 pessoas) porque nenhum dos 14 vagões envolvidos pegou fogo."O trabalho de resgate das vítimas durou cerca de seis horas. Trinta feridos estão hospitalizados, a maioria em estado grave. Quarenta pessoas com ferimentos leves foram liberadas.Christopher Garnett, porta-voz da GNER (empresa proprietária da ferrovia), garantiu que não houve problemas técnicos. "O choque foi causado por um acidente rodoviário. Estamos pensando neste momento no sofrimento das vítimas e de seus parentes", disse.A rainha Elizabeth II dirigiu palavras de conforto aos parentes das vítimas. E o vice-primeiro-ministro John Prescott (que acumula a pasta dos Transportes) prometeu uma rápida investigação. Ele era esperado hoje na Câmara dos Comuns, para uma detalhada explicação aos parlamentares britânicos, que, há muito tempo, exigem das empresas proprietárias a modernização das ferrovias. O sistema ferroviário britânico é apontado como um dos mais antigos e precários da Europa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.