Blair propõe reunião sobre futuro palestino

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, reuniu-se hoje com o premiê israelense, Ariel Sharon, em Jerusalém. Depois do encontro, Blair anunciou sua proposta de realização de uma conferência no próximo ano sobre o futuro da Autoridade Palestina. Segundo ele, o evento abrirá o caminho para a retomada da implementação de um plano de paz para o Oriente Médio. Sharon disse, em entrevista coletiva ao lado de Blair, apoiar a iniciativa da Grã-Bretanha. Afirmou, porém, que as duas partes concordaram que não há a necessidade da participação de Israel.O encontro, que deve acontecer em Londres em fevereiro, terá como objetivo discutir reformas na administração palestina na era pós-Yasser Arafat. Servirá também como uma forma de obter apoio internacional e econômico ao novo líder palestino, fortalecendo-o para negociar com Israel e implementar medidas de segurança previstas no plano de paz conhecido "roadmap" (o Mapa da Paz ou Mapa da Estrada).Blair aproveitou para fazer um apelo aos palestinos para suspender as ações contra Israel na intifada. "Não haverá nenhuma negociação bem-sucedida ou paz sem o fim do terrorismo", declarou.CisjordâniaApós se encontrar com Sharon, Blair viajou para a Cisjordânia, na primeira visita de um governante estrangeiro à região após a morte de Arafat. Ele se encontrará com o líder da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Mahmoud Abbas, e com o premiê palestino, Ahmed Korei, para discutir os planos para a conferência e medidas que possam facilitar a retomada do diálogo.Abbas é o candidato favorito nas eleições para presidente da Autoridade Palestina, em 9 de janeiro. Blair já afirmou que encontrar uma solução para o conflito israelense-palestino é uma prioridade do seu governo. Ariel Sharon disse que o primeiro-ministro britânico é um ?amigo de Israel?.GazaA visita acontece justamente num momento em que o Exército israelense enviou tanques e tropas ao campo de refugiados de Khan Younis, na Faixa de Gaza, numa tentativa de parar com os ataques aéreos aos assentamentos judaicos.Pelo menos um suposto militante palestino foi morto na operação, que conta o apoio de cerca de 30 veículos blindados e escavadeiras que derrubaram várias casas perto do assentamento judaico de Neve Dekalim. Onze palestinos morreram e pelo menos 40 ficaram feridos numa incursão neste mesmo local no fim de semana.BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.