Blair sofre derrota por lei antiterrorismo

O governo do primeiro-ministro britânico Tony Blair recebeu um duro golpe nesta quinta-feira com a negativa por parte da Casa dos Lordes de aprovar uma lei antiterrorismo. Vários lordes do partido conservador votaram pela primeira vez contra uma lei trabalhista desde a ascensão ao poder de Blair e declararam que não aprovarão esta proposta sem que ela passe por mudanças.Desta forma, o governo britânico, que pressionou o parlamento para que aprovasse a lei antes do Natal, deverá esperar vários dias até que a Câmara alta decida o futuro da proposta. As medidas, que passarão ao Parlamento Europeu, em Bruxelas, buscam eliminar o crime organizado e acabar com o terrorismo em toda a Europa, incluindo um sistema de extradição de alta velocidade.O secretário do Interior britânico, David Blunkett, pressionará os membros do parlamento para que aprove, em separado, a controversa lei de detenção de suspeitos sem necessidade de um julgamento prévio. O lorde conservador Pearson de Rannock declarou que o governo britânico havia prometido não introduzir legislação européia que não fosse aprovada pelo comitê parlamentar, acrescentando que "agora se negaram a cumprir essa promessa.No geral, os lordes conservadores declararam que a nova lei antiterrorismo imposta pelo governo restringe as liberdades dos cidadãos britânicos.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.