Blair tentará reverter divisão trabalhista sobre a guerra

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, o principal aliado de George W. Bush em sua campanha contra Saddam Hussein, tentará nesta semana reverter uma forte divisão dentro do Partido Trabalhista, gerada por um possível conflito com o Iraque.Na quarta-feira, os parlamentares da Grã-Bretanha deverão votar sobre a participação britânica na crise iraquiana, mas um grupo de deputados trabalhistas já anunciou que desaprovará qualquer tipo de ação militar na região.Hoje, o ex-secretário de Defesa britânico, o trabalhista Peter Kilfoyle, declarou que a votação de depois de amanhã sobre o Iraque "demonstrará o quanto está dividido" o Partido Trabalhista. "Os parlamentares da Grã-Bretanha temos claro que Tony Blair não está trabalhando para conseguir uma saída pacífica, mas sim para lançar a guerra", disse Kilfoyle.Na última discussão sobre o Iraque no parlamento de Westminster, 22 trabalhistas se opuseram a uma guerra, mas esse número poderia subir a 150, segundo indicou hoje a deputada Alice Mahon."Estou segura de que conseguiremos uma maciça oposição à guerra dentro do trabalhismo e demonstraremos a Blair que a Câmara dos Comuns está completamente dividida. É inexplicável enviar nossas tropas ao Iraque, quando a maioria da população se opõe à guerra", afirmou Mahon.Por sua parte, o porta-voz do Partido Liberal, Michael Moore, afirmou que os liberais pedirão um veto especial para impedir que se lance uma guerra sem a provação prévia do Conselho de Segurança da ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.