Blair vê dificuldades em obter apoio para a guerra

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair, reconheceu nesta quinta-feira que poderia enfrentar dificuldades para convencer os britânicos a apoiarem uma guerra sem o aval da Organização das Nações Unidas (ONU).Porém, Blair insistiu que as armas de destruição em massa de Saddam Hussein representam uma ameaça para todo o Oriente Médio e que a Grã-Bretanha não ficará inerte se o líder iraquiano decidir usá-las. "Eu nunca disse que o Iraque está prestes a lançar um ataque contra a Grã-Bretanha", garantiu Blair em entrevista à rede de tevê BBC."Mas se analisarmos o histórico de Saddam Hussein, não há nenhuma dúvida de que ele representa uma ameaça à sua região. Se ele utilizar armas químicas, biológicas ou nucleares contra o resto de sua região, não há como a Grã-Bretanha se esquivar de sua responsabilidade", disse.As pesquisas mostram que a maioria dos britânicos é contrária à possibilidade de os Estados Unidos iniciarem um novo conflito armado com o Iraque, a não ser que o Conselho de Segurança (CS) da ONU aprove tal ação."Penso que, se houver uma segunda resolução da ONU, o povo me apoiará. Se não houver, será preciso muito trabalho para persuadi-lo", admitiu o primeiro-ministro em entrevista concedida durante o programa "Newsnight", da BBC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.