Blecautes afetarão 10 milhões de pessoas no Japão

Cortes de energia elétrica começaram às 9h20 horário local e seguirão, de forma escalonada, até as 22h; cortes de energia terão até três horas de duração e serão aplicados em quatro regiões distintas do país

Efe,

22 de março de 2011 | 02h30

 

TÓQUIO - Dez milhões de japoneses serão afetados nesta terça-feira, 22, pelos cortes de luz que voltarão a ser aplicados pela empresa Tokyo Electric Power Company (Tepco) devido aos problemas gerados pelo terremoto do último dia 11.

 

Segundo informou a empresa, os blecautes começaram às 9h20 da hora local (21h20 de segunda-feira pelo horário de Brasília) e continuarão, de forma escalonada, até as 22h do horário do Japão.

 

Os cortes de energia terão até três horas de duração e serão aplicados em quatro regiões distintas do Japão, em diferentes momentos do dia.

 

Veja também:

blog Twitter: Siga a correspondente Cláudia Trevisan, que está no Japão

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

mais imagens Galeria de fotos: Tremor e tsunami causam destruição

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

 

Nos últimos três dias não houve cortes de luz, já que ao fim de semana se uniu o feriado de segunda-feira pela celebração do equinócio de primavera.

A Tepco calcula que na hora do rush desta terça-feira haverá uma demanda de 37 milhões de quilowatts, enquanto a oferta não superará 35,5 milhões, e por isso pediu que empresas e cidadãos reduzam o consumo.

 

A companhia, operadora da instável usina nuclear de Fukushima, prevê manter os blecautes até o fim de abril, em cortes que poderão afetar até 45 milhões de pessoas, inclusive moradores da região metropolitana de Tóquio.

 

Trabalhadores tentam controlar a central de Fukushima, que ficou sem eletricidade após o terremoto de 9 graus e o posterior tsunami de 11 de março, o que gerou uma crise nuclear que enfim parece se estabilizar.

 

Segundo a empresa, a usina Fukushima Daiichi foi atingida por um tsunami com ondas de até 14 metros, mais que o dobro do previsto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.