Blix destaca avanços nas inspeções no Iraque

Os chefes dos inspetores de armas das Nações Unidas, Hans Blix e Mohamed el-Baradei, declararam hoje, no segundo dia de visita a Bagdá, que o regime de Saddam Hussein concordou em formar uma comissão para "buscar todos osdocumentos relativos aos seus programas de armas proibidas". Blix disse também ter recebido dos funcionários iraquianos documentos sobre antraz, gás VX e mísseis balísticos, particularmente sobre os programas de mísses de longo alcanceAl-Fatah e Sumud. "A visita tem marcado o início de uma consideração mais séria (por parte do Iraque) sobre os problemas pendentes", afirmou Blix, em entrevista coletiva.El-Baradei, chefe dos inspetores da AgênciaInternacional de Energia Atômica (AIEA), declarou estar "impressionado" com a mudança de atitude do Iraque sobre as inspeções. Mas ressalvou que a equipe de especialista ainda precisa de "mudanças muito mais drásticas". Blix e El-Baradei vêm mantendo, desde sábado, intensos contatos com funcionários iraquianos, na tentativa de obter mais cooperação para os trabalhos de inspeção antes da apresentação de um novo relatório para o Conselho de Segurança da ONU, na sexta-feira.Com base nesse documento, os membros do conselho poderão decidir sobre uma nova resolução dando a uma coalizão liderada pelos EUA um mandato para lançar uma ação militar destinada a desarmar o Iraque.Os chefes dos inspetores afirmaram também que uma de suas principais demandas, a autorização para o uso de aviões de reconhecimento americanos U-2 no apoio às vistorias, ainda não teve resposta do governo iraquiano. Segundo Blix, os funcionários iraquianos ficaram de responder ao pedido antes desexta-feira.Em Greenbriar, na Virgínia, o presidente americano, George W. Bush, disse que as Nações Unidas se aproximam de "enfrentar o momento da verdade" sobre a questão iraquiana. Durante umareunião com parlamentares de seu Partido Republicano, Bush reiterou que os EUA e seus aliados "desarmarão Saddam Hussein se ele não cumprir com as exigências da ONU". "As Nações Unidas deverão decidir em breve se estão à alturade manter a paz e se suas palavras fazem sentido", disse Bush.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.