Bloco de Yulia promete levar eleição ucraniana à Justiça

Aliados da primeira-ministra da Ucrânia, Yulia Tymoshenko, disseram hoje que entrarão na Justiça para contestar o resultado da eleição presidencial, que no domingo elegeu Viktor Yanukovich. "Nós reconheceremos a derrota somente depois de uma decisão da Justiça", disse Andriy Shkil, um destacado integrante do bloco da primeira-ministra no Parlamento ucraniano. "Nós contestaremos tanto os preparativos quanto a condução da eleição", afirmou.

AE-AP, Agencia Estado

09 de fevereiro de 2010 | 13h37

Yulia recusava-se hoje a acatar o resultado das urnas - com 99,7% dos votos apurados, Viktor Yanukovich aparece 3,5 pontos porcentuais à frente da primeira-ministra. Aliados da candidata disseram hoje que ela não admitirá a derrota antes que se esgotem os recursos na Justiça nem antes de uma recontagem em alguns postos de votação. Segundo ela, houve "fraude generalizada".

Porém, ontem, ao contrário do que aconteceu em eleições anteriores no país, observadores estrangeiros qualificaram o processo eleitoral como "profissional, transparente e honesto". Os Estados Unidos também elogiaram a votação. A embaixada norte-americana em Kiev qualificou o pleito como "mais um passo importante rumo à consolidação da democracia na Ucrânia".

A página do respeitado jornal Ikrainskaya Pravda na internet e a agência russa de notícias Itar-Tass citaram Yulia afirmando a correligionários que "jamais reconhecerá" a legitimidade do pleito de domingo e que tem planos de exigir a realização de um terceiro turno de votação. Com informações da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.