Blog sobre lésbica presa na Síria era uma fraude

Um norte-americano que vive na Escócia afirmou que é o autor do blog "Garota gay em Damasco". Há alguns dias, a aparição do caso foi alvo de preocupação internacional e noticiado em todo o mundo. Tom MacMaster, de 40 anos, é casado e cursa mestrado na Universidade de Edimburgo. Ontem, ele pediu desculpas e confessou que é "Amina Abdallah Arraf", a fictícia lésbica síria.

AE, Agência Estado

13 Junho 2011 | 10h59

A personagem ganhou fama em meio ao movimento oposicionista contra o presidente Bashar al-Assad, falando sobre seus pensamentos e assumindo-se como homossexual em um país conservador. Na terça-feira, alguém alegando ser seu primo escreveu no site, dizendo que Arraf havia sido detida por três homens armados e levada em um carro onde havia um adesivo a favor do governo em uma janela. A notícia gerou um alarme virtual entre seus seguidores. Ativistas chegaram a criar um grupo chamado "Libertem Amina Abdallah" no site Facebook, atraindo quase 15 mil seguidores.

Ontem, MacMaster esclareceu o caso, depois de alguns questionamentos sobre a veracidade da história. Ele disse que tinha feito tudo sozinho. "Eu nunca esperava esse nível de atenção", escreveu em uma "Desculpa aos leitores", falando de Istambul, onde ele e sua mulher estariam passando o feriado.

Segundo ele, porém, apesar de a personagem ser uma ficção, os fatos narrados no blog são verdadeiros. A intenção, disse, era chamar a atenção para o povo do Oriente Médio e suas lutas "neste ano de revoluções".

A revelação da fraude enfureceu alguns dos seguidores, particularmente os que faziam campanha pela libertação de Arraf. Um editor de um site em Damasco afirmou que a fraude colocou muitas pessoas em risco no país. "A situação na Síria está muito sombria para esse tipo de brincadeira", afirmou outra pessoa, no site Facebook. "O tempo e o esforço foram tirados de outras histórias importantes acontecendo na Síria", lembrou outro usuário. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Sírialésbicaprisãofraude

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.