Blogueiro sul-coreano que previu falências é inocentado

Depois de virar fenômeno com suas previsões econômicas, Minerva foi acusado de espalhar informações falsas.

BBC Brasil, BBC

20 de abril de 2009 | 11h51

Um blogueiro sul-coreano acusado de espalhar informações falsas na internet foi inocentado por um tribunal nesta segunda-feira.

Park Dae-sung, mais conhecido como Minerva, criou uma ampla rede de leitores na internet por conta de suas previsões, na maioria negativas - porém precisas - sobre os rumos da economia.

A promotoria alegou que seu tipo de jornalismo financeiro estava prejudicando o interesse público, mas a corte de Seul determinou que não havia provas de que suas intenções seriam maldosas.

O veredicto foi visto como uma vitória para a liberdade de expressão.

Protestos

Usando o nome da deusa romana como pseudônimo na internet, Minerva publicou algumas previsões surpreendentemente precisas, como a quebra do banco de investimentos americano Lehman Brothers.

Ele se tornou uma sensação entre os blogueiros, provocando intensa especulação sobre sua verdadeira identidade. Alguns sugeriram que ele era um professor, outras que ele seria um experiente operador do mercado financeiro.

As autoridades, no entanto, ficaram menos impressionadas, argumentando que muito do que ele escreveu era equivocado e começou a afetar os mercados financeiros.

Quando ele foi finalmente rastreado, em janeiro, descobriu-se que era um desempregado de 31 anos de idade que havia adquirido seu conhecimento financeiro lendo artigos na internet e livros encomendados pelo correio.

Seu indiciamento, por ter "espalhado informação falsa com intenção de prejudicar o interesse público" - lei raramente usada no país - provocou uma onda de protestos de grupos de defesa dos direitos humanos.

Ele agora está livre para voltar a postar seus comentários na internet.

A corte decidiu que, apesar dos equívocos contidos em seus blogues, não havia provas de que suas intenções seriam maldosas.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.