Bloomberg quer opinião de Obama e Romney sobre armas

O Prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, pediu que o presidente Barack Obama e seu rival republicano, Mitt Romney, definam suas posições sobre o controle de armas, após o massacre desta sexta-feira em Aurora, no Colorado. O atentado, que aconteceu durante a exibição de estreia do filme "Batman - O Cavaleiro das Trevas Ressurge, matou 12 e feriu mais de 50 pessoas.

AE, Agência Estado

20 de julho de 2012 | 18h11

Bloomberg, que defende o controle mais rigoroso de armas, disse que o banho de sangue em Aurora era a prova de que as armas são um problema "crescente" e não se limitam às grandes cidades norte-americanas.

"Talvez seja a hora de essas duas pessoas que querem ser presidente dos Estados Unidos levantarem-se e nos dizer o que eles vão fazer, porque este é obviamente um problema em todo o país", disse Bloomberg. "Há tantos assassinatos com armas de fogo todos os dias, isso precisa parar. Não importa qual sua opinião sobre a Segunda Emenda, não importa qual sua opinião sobre o controle de armas, temos o direito de ouvir de ambos (os candidatos) concretamente."

O Estado de Nova York tem algumas das leis mais duras sobre o porte civil de armas nos Estados Unidos, mas Bloomberg tem criticado outros Estados que não são tão rigorosos no controle da venda de armas. Para o prefeito, as armas de fogo vendidas em outros locais podem, eventualmente acabar em sua cidade.

"Armas estão matando pessoas todos os dias", afirmou. "Esse número está crescendo e não é apenas no centro da cidade... na costa leste, na costa oeste, é o fenômeno da cidade grande. Aurora não é uma cidade grande." O local do trágico acidente, que fica no subúrbio da região metropolitana de Denver, no Estado americano do Colorado, tem população aproximada de 350 mil habitantes. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
EUAatiradorBloombergarmas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.