EFE/EPA/MICK TSIKAS
Australianos realizam protesto em Camberra, inspirados no 'Comboio da Liberdade' iniciado no Canadá. EFE/EPA/MICK TSIKAS

Bloqueio de caminhoneiros no Canadá inspira grupos antivacina em vários países

Atos antivacina e contrários a medidas anti-covid repercutem nas redes sociais e influenciam mobilizações nos Estados Unidos, na Nova Zelândia e Austrália

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2022 | 09h55
Atualizado 09 de fevereiro de 2022 | 10h03

OTTAWA - Inspiradas por manifestações no Canadá, centenas de pessoas na Nova Zelândia usaram caminhões e outros veículos para bloquear ruas no entorno do Parlamento do país nesta terça-feira, 9, em protesto contra a obrigatoriedade da vacina e as restrições por causa da pandemia.

Batizada de "Comboio da liberdade" -mesmo nome da mobilização no Canadá-, a demonstração na capital neozelandesa, Wellington, ilustra o apoio que os atos no país da América do Norte vêm recebendo de grupos antivacina e de extrema direita em vários países.

A Austrália também teve protestos inspirados no Canadá, que incluíram um "Comboio a Camberra", a capital australiana. Além de pessoas contrárias à obrigatoriedade da vacina, havia também membros de grupos religiosos e cidadãos que diziam não estar sujeitos a lei nenhuma, descrevendo-se como “soberanos”.

Nos EUA, caminhoneiros de vários Estados planejam lançar seu próprio comboio, da Califórnia à capital Washington, segundo Brian Brase, um dos organizadores da ação, enquanto grupos antivacina também se articulam nacionalmente, pedindo a adoção de táticas similares às dos canadenses.

Em Nova York, centenas empunharam uma grande bandeira canadense ao se manifestar na segunda-feira contra a demissão, a partir da próxima sexta-feira, de empregados municipais que rejeitarem se vacinar contra a covid-19.

No domingo, centenas de caminhoneiros protestaram no Alasca contra a vacinação obrigatória e em apoio a seus colegas canadenses.

No protesto na Nova Zelândia, manifestantes de diferentes cantos do país se reuniram antes do primeiro discurso do ano da primeira-ministra Jacinda Ardern.

Os manifestantes, em sua maioria sem máscara, seguravam cartazes pedindo "liberdade", prometendo acampar do lado de fora do Parlamento até a suspensão das restrições anti-covid. Ardern disse que os manifestantes não representavam a opinião da maioria. “A maioria dos neozelandeses fez todo o possível para manter uns aos outros seguros”, disse em entrevista coletiva.

Iniciados em 28 de janeiro na capital canadense, Ottawa, por caminhoneiros contrários à exigência de vacinação para poder cruzar a fronteira com os EUA, os protestos ganharam a adesão de cidadãos antivacina e se converteram rapidamente em uma mobilização contra as medidas sanitárias no Canadá e, para alguns manifestantes, contra o governo de Justin Trudeau, espalhando-se para outras cidades, como Québec e Toronto.

Após o fim de mais de uma semana de isolamento por causa de uma infecção por covid-19, Trudeau se pronunciou sobre os atos durante um debate de urgência na Câmara dos Comuns na segunda-feira à noite, declarando que a mobilização "tem de acabar".

“Indivíduos estão tentando bloquear nossa economia, nossa democracia e a vida de nossos cidadãos. Isso têm de acabar”, afirmou.

Trudeau dissera anteriormente que o movimento representava uma "pequena minoria marginal" e que o governo não seria intimidado. Cerca de 90% dos caminhoneiros que trabalham cruzando a fronteira e quase 80% da população canadense já tomaram as duas doses da vacina contra o coronavírus.

O apelo do premiê canadense foi feito após os caminhoneiros terem interrompido o acesso a passagens críticas da fronteira, incluindo a Ambassador Bridge, importante ponte para circulação de mercadorias entre o Canadá e os EUA ao conectar Windsor, em Ontário (Canadá), com a americana Detroit.

O Canadá envia 75% de suas exportações para os EUA, e cerca de 8 mil caminhoneiros trafegam diariamente pela ponte, que continua bloqueada nesta terça-feira. No domingo, o prefeito de Ottawa já havia declarado situação de emergência.

Apoio de Trump

Os atos, que foram elogiados pelo CEO da Tesla, Elon Musk, receberam o apoio de autoridades conservadoras dos EUA, como o senador pelo Texas, o republicano Ted Cruz, que qualifica os manifestantes de "heróis" e "patriotas". Já o ex-presidente Donald Trump classificou Trudeau de “lunático de extrema esquerda” e disse que “mandatos insanos de covid” estão destruindo o Canadá.

"O Comboio da Liberdade poderia vir a Washington com caminhoneiros americanos para protestar contra a política ridícula de Joe Biden sobre a covid-19", afirmou Trump em um comunicado.

O ministro da Segurança Pública canadense, Marco Mendicino, citou uma "potencial interferência estrangeira" ao reagir às declarações de Trump e dos outros americanos. “Somos canadenses. Temos nosso próprio conjunto de leis. Nós as seguiremos.”

Alguns congressistas republicanos prometeram investigar o site GoFundMe após ele derrubar uma página de doações aos caminhoneiros canadenses que já somava quase US$ 10 milhões -e que havia liberado US$ 789 mil até seu fechamento.

Depois disso, as doações se concentraram em outras plataformas, como a GiveSendGo, um site cristão de crowdfunding que arrecadou mais de US$ 5 milhões na noite de segunda-feira.

Fotos dos caminhoneiros canadenses apareceram em grupos antivacina no Facebook e em outras redes sociais há cerca de duas semanas, sendo disseminadas rapidamente, assim como a hashtag usada pelos caminhoneiros: #FreedomConvoy (Comboio da liberdade).

No Facebook, foi compartilhada mais de 1,2 milhão de vezes desde 24 de janeiro, de acordo com a ferramenta de análise CrowdTangle. Na mesma rede social, outro grupo dedicado a apoiar os caminhoneiros atraiu quase 700 mil seguidores.

Na França, uma página também chamada de "Comboio da liberdade", e seguida por mais de 275 mil pessoas, pede que os opositores das medidas sanitárias impostas pelo governo se reúnam no próximo domingo em Paris. Rémi Monde, um dos organizadores do comboio francês, qualifica o movimento canadense de "muito inspirador". Outros grupos nas redes sociais também convocaram manifestações em Bruxelas, na Bélgica.

A Meta, empresa controladora do Facebook, disse que excluiu vários grupos associados ao comboio por violar suas regras de comportamento, como compartilhar conteúdo vinculado ao movimento de conspiração QAnon. A gigante de tecnologia também informou que ainda analisa outros grupos formados em conexão com o protesto do Canadá./ NYT, W.POST, AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Manifestantes fecham outra passagem de fronteira entre EUA e Canadá

Bloqueio ocorreu na Ambassador Bridge, travessia internacional mais movimentada da América do Norte, que liga Windsor, em Ontário, a Detroit

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2022 | 09h55
Atualizado 09 de fevereiro de 2022 | 10h03

Uma segunda travessia entre EUA e Canadá foi bloqueada por manifestantes do autodenominado “Comboio da Liberdade” que se manifestavam contra as restrições para evitar a disseminação do coronavírus, entre elas mandatos de vacina para caminhoneiros transfronteiriços, paralisando ainda mais as rotas comerciais cruciais que conectam os Estados Unidos e seu vizinho do norte.

As pistas norte e sul na passagem de fronteira de Coutts, que liga Alberta, no Canadá, a Montana, foram fechadas por manifestantes, disse a Polícia Montada Real Canadense.

O bloqueio ocorreu quando a Ambassador Bridge, a travessia internacional mais movimentada da América do Norte, ligando Windsor, Ontário, a Detroit, foi temporariamente fechada no mesmo dia para passageiros e tráfego comercial, embora a polícia local tenha dito que “tráfego limitado” estava sendo permitido.

Os protestos, que começaram no final de janeiro contra os mandatos de vacinas para caminhoneiros transfronteiriços, se transformaram em um movimento mais amplo contra as medidas relacionadas à pandemia do Canadá e o primeiro-ministro Justin Trudeau. Centenas e às vezes milhares de caminhoneiros e seus apoiadores congestionaram estradas importantes, onde alguns manifestantes desfiguraram monumentos nacionais e agitaram bandeiras com suásticas enquanto pediam a renúncia do premiê.

Na capital Ottawa, onde o prefeito declarou estado de emergência no fim de semana, houve 23 prisões por acusações de resistência e fuga da polícia. Cerca de 80 investigações criminais foram iniciadas. A obstrução das passagens de fronteira - que são consideradas infraestrutura crítica - provocou uma grande reação da polícia e funcionários canadenses de todos os lados do espectro político.

Esses bloqueios podem desencadear o fechamento temporário de fábricas e demissões se as empresas não puderem transportar seus produtos - mesmo que as interrupções durem apenas um ou dois dias, dizem os especialistas.

Todos os dias, US$ 300 milhões em peças de carros e caminhões, produtos agrícolas, aço e outras matérias-primas fluem pela Ambassador Bridge, disse Flavio Volpe, presidente da Associação de Fabricantes de Peças Automotivas em Toronto, ao The Washington Post. A ponte também conecta famílias, amigos e trabalhadores essenciais, incluindo enfermeiras canadenses que trabalham em hospitais da área de Detroit.

Estima-se que 150 a 200 veículos e cerca de 200 pessoas estavam envolvidos no bloqueio da Ponte Ambassador de quase 3 quilômetros.

Embora manifestantes antigovernamentais tenham bloqueado a passagem de Coutts de forma intermitente nos últimos dias, o último bloqueio ocorreu quando as autoridades de Alberta anunciaram planos para reverter algumas das regras anti-covid da província.

Kenney escreveu no Twitter que as pessoas agora podem viver com segurança com o coronavírus “sem a necessidade de intervenções governamentais prejudiciais”, dizendo que o pior do aumento impulsionado pela variante Ômicron acabou. O líder de Alberta, cujos eleitores são conservadores em comparação com o resto do país, mirou as políticas liberais de Trudeau no passado.

A partir de quarta-feira, as empresas não precisam pedir prova de vacinação ou resultados negativos de teste de coronavírus e reuniões com menos de 500 pessoas serão permitidas sem restrições, anunciou Kenney. Os alunos não serão mais obrigados a usar máscaras nas escolas a partir da próxima semana.

Trudeau condenou na segunda-feira aqueles que tentam “bloquear nossa economia, nossa democracia” e instruiu os manifestantes a “ir para casa”.

Em Ottawa, o vice-chefe de polícia Steve Bell disse a repórteres: “Nossa mensagem para os manifestantes continua a mesma: não venham. Se você fizer isso, haverá consequências.”/ NYT, W.POST, AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.