Bloqueio na fronteira deve ser de 72h, dizem bolivianos

O bloqueio promovido por setores da oposição boliviana na estrada que liga Puerto Suarez, na Bolívia, a Corumbá, no Pantanal de Mato Grosso do Sul, vai durar 72 horas, conforme informações de membros do Comitê Cívico da cidade de Arroyo Concepción (Bolívia). O trecho na fronteira amanheceu hoje bloqueado por montes de terra despejada durante a madrugada na linha divisória. Segundo o presidente do comitê, Carlos Vargas, os manifestantes estão preparados para qualquer reação do Exército boliviano.Durante a manhã, 160 membros da Polícia Nacional e do Exército deixaram a região de fronteira, visando evitar confronto com os manifestantes, que estão na divisa portando paus e pedras e ostentando faixas de protesto contra o governo de Evo Morales. Vargas explicou que dependendo da reação do governo a situação poderá ficar mais complicada. Ele alega que os 7 mil moradores de Concepción estão unidos nas manifestações, protestando contra a morte de oito bolivianos ocorridas ontem durante conflito com grupo que apóia Evo Morales. "Podemos radicalizar ainda mais, declarando Concepción independente e impondo nossas próprias leis". Em Puerto Quijarro, vizinho de Concepción, a situação não é diferente desde as primeiras horas de hoje. Segundo informações do posto de fiscalização do Brasil, o tráfego está interrompido na fronteira Corumbá-Bolívia, com filas quilométricas de caminhões carregados, sem previsão de seguir viagem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.