'Blue card' da UE tiraria mão-de-obra qualificada de país pobre

O projeto estudado pela União Européia(UE) para atrair mão-de-obra altamente qualificada retirariados países pobres profissionais que lhe são essenciais,afirmaram membros de agências de ajuda humanitária. O esquema "blue card" -- semelhante ao "green card" dosEstados Unidos -- pretende tornar a UE mais atraente em meio auma batalha com outros países desenvolvidos por especialistasem tecnologia e funcionários da área de saúde, setores nosquais há carência de mão-de-obra. Mas especialistas afirmam que o programa intensificará oêxodo de trabalhadores qualificados dos países emdesenvolvimento e dificultará ainda mais os esforços deles paramelhorarem seus serviços de saúde. "Essa é uma nova forma de colonização, de discriminação. Eserá muito difícil encontrar apoio para esse projeto entre ospaíses do hemisfério Sul", disse o professor de direitoeconômico internacional Tajeddine Husseini, do Marrocos. "Esses países gastam grandes somas educando e treinandoseus estudantes para que, ao final, os países do hemisférioNorte fiquem com a nata deles. Trata-se de um grande erro e deum ato criminoso do norte retirar do sul os profissionais maiscapacitados", disse Husseini na quinta-feira, à Reuters. O dinheiro enviado pelos trabalhadores que atuam noexterior para suas famílias em sua terra natal representa umconsiderável aporte financeiro. Mas muitos afirmam que oresultado final da drenagem de mão-de-obra qualificada seráaltamente negativo. O ministro da Saúde da Libéria, Walter Gwenigale, disse queo esquema da UE tornará quase impossíveis os esforços dereconstrução do sistema de saúde de seu país, destruído apósvários anos de guerra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.