Ruth Fremson/The New York Times
Ruth Fremson/The New York Times

Boatos que circulam pelo WhatsApp levam a onda de violência na Índia

Informação de que 300 traficantes estariam no Estado de Gujarat para sequestrar e vender crianças deflagrou cinco agressões, incluindo uma morte

O Estado de S.Paulo

27 Junho 2018 | 09h13

AHMEDABAD, ÍNDIA - A Polícia indiana pediu nesta quarta-feira, 27, à população que ignore os boatos falsos que circulam no WhatsApp sobre traficantes de crianças, os quais levaram a uma onda de violência que culminou em um morto e vários feridos.

+ Macedônia, uma usina mundial de fake news

+ Diante da crise, uma nova fonte de renda na Macedônia

Segundo as mensagens, 300 traficantes teriam chegado a Gujarat para sequestrar crianças e depois vendê-las, uma informação que deflagrou cinco agressões na terça-feira, 26, em várias cidades do Estado do oeste da Índia.

+ Plano de Macron dá 48 horas para juiz detectar fake news

+ Analistas temem que eleição mexicana seja vítima da influência russa

"Não se deixem levar pelas mensagens falsas, ou pelos boatos nas redes sociais, e não ataquem ninguém com base em suspeitas", pediu a Polícia estadual em um comunicado. Nos últimos anos, houve incidentes similares na Índia, quando boatos divulgados pelo WhatsApp terminaram em linchamentos.

Na cidade de Ahmedabad, cerca de 100 pessoas atacaram uma mendiga de 45 anos, identificada como Shantadevi Nath, e outras três mulheres, acusando-as de serem membros dos grupos de traficantes descritos nas mensagens.

"A multidão começou a dar chutes e socos nas quatro mulheres (...) provocando ferimentos graves em Shantadevi e de menor gravidade nas outras três", disse o chefe da Polícia local, Ja Rathwa. Shantadevi morreu pouco depois no hospital.

Em Rajkot, outra cidade do mesmo Estado, seis pessoas ficaram feridas e, em Surat, foram registradas mais duas agressões. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.